Avaliação cardiorrespiratória: quais são os tipos e como fazer?
Aprendizado

Avaliação cardiorrespiratória: quais são os tipos e como fazer?

Escrito por Unisport Brasil

Alguns dados são essenciais quando falamos no início de práticas de atividades físicas: avaliações antropométricas, exames médicos para a liberação da execução de determinados exercícios e análises de flexibilidade, entre outros.

Uma das mais importantes é a avaliação cardiorrespiratória, que oferece uma série de informações essenciais para que o educador físico consiga trabalhar em seus treinos de forma adequada e proteger a saúde do aluno.

Continue lendo e veja quais são os principais tipos de avaliações e as suas respectivas metodologias.

A importância da avaliação cardiorrespiratória

A avaliação cardiorrespiratória é um teste no qual se avalia a capacidade do paciente em se manter estável em atividades físicas de intensidade moderada a pesada por longos períodos.

Assim, ele é de extrema importância para que os educadores físicos consigam passar os exercícios de acordo com a capacidade da pessoa. O mesmo vale para os atletas, que, apesar de terem uma melhor compleição, também necessitam de cuidados para não extrapolarem suas capacidades.

Ele permite a avaliação das funcionalidades do sistema respiratório, cardiovascular e musculoesquelético. A métrica final obtida é a captação do volume máximo de oxigênio pelo organismo (VO2 máx). Quanto maior essa métrica, melhor é a capacidade cardiorrespiratória da pessoa.

Isso é essencial, pois uma capacidade cardiorrespiratória baixa está associada a um aumento do risco de morte prematura e problemas cardiovasculares.

Os tipos de avaliações cardiorrespiratórias

Porém, não há apenas uma forma de realizar a avaliação cardiorrespiratória. Existem diversas metodologias que podem ser aplicadas para esse fim e geram os resultados esperados. Confira as principais delas.

Teste de Uma Milha

O Teste de Uma Milha é uma das opções mais interessantes para quem deseja aplicar uma avaliação eficiente.

Nele, a pessoa caminha por uma milha (1609,3 metros) em um percurso plano. No final, o avaliador registra a frequência cardíaca.

A partir disso, é avaliado o VO2 máximo por meio da seguinte equação:

VO2 máx (ml/kg/min) = 32,6 – (0,17 * peso corporal) – (0,39 * idade) + (6,31 * sexo) – (3,27 * tempo) – (0,156 * frequência cardíaca final)

Deve-se lembrar que o valor de sexo é 0 para mulheres e 1 para homens.

Teste de Cooper

Também conhecido como Teste de 12 minutos, pode ser feito por pessoas com idade entre 17 e 52 anos.

A pessoa deve percorrer uma pista plana que tenha marcas a cada dez metros no melhor tempo, podendo caminhar ou correr, em doze minutos. Após esse tempo, o avaliador soprará um apito e avaliará a distância percorrida com a ajuda da seguinte fórmula:

VO2 máx (ml/kg/min) = (distância em metros – 504) / 45

Teste de Ruffier

É um dos mais simples utilizados e depende apenas do próprio organismo para ser realizado. O avaliador pede para o paciente realizar 30 flexões sobre as pernas no período de 45 segundos.

O profissional faz a conferência da frequência cardíaca antes do exercício, com a pessoa em repouso, sentada durante 15 segundos (PO). Logo após ela concluir o exercício, é aferido novamente (P1). Por fim, depois de 1 minuto, é feita mais uma medição (P3).

Com os dados em mãos, é aplicada a fórmula:

(P1 + P2 + P3) – 200 / 10

O resultado pode ser interpretado na seguinte tabela:

  • índice < 0: excelente adaptação ao esforço;
  • 0 < índice < 5: boa adaptação ao esforço;
  • 5 < índice < 10: adaptação ao esforço média;
  • 10 < índice < 15: adaptação ao esforço insuficiente;
  • 15 < índice: má adaptação ao esforço (nesse caso, é recomendado um exame complementar).

Teste de Harvard

Também conhecido como Step Test, mensura a capacidade de recuperação após um teste com um banco (step) de 40 cm de altura.

O paciente deve subir e descer durante 45 segundos, realizando 30 subidas e descidas. Ao finalizar o exercício, mede-se a pulsação durante os três primeiros minutos.

A partir disso, é feito o seguinte cálculo:

Duração do exercício (segundos) x 100 / 2 * (soma das pulsações contadas em cada minuto)

Então, o profissional deve conferir a seguinte tabela:

  • > 90: excelente;
  • 70 a 90: bom;
  • 60 a 70: médio;
  • 55 a 60: baixo;
  • < 55: mau.

TCPE

Alia o teste ergométrico com a análise dos gases exalados na respiração durante a atividade física. Assim, aponta variáveis importantes, como consumo direto de oxigênio e VE/VCO2, entre outros pontos.

É um teste mais completo, realizado em uma esteira ergométrica ou bicicleta estacionária, com uma máscara facial para a análise gasimétrica. Há o monitoramento constante do paciente, com eletrocardiograma, oxímero de pulso e medição de pressão arterial. Pode durar entre 8 e 12 minutos, de acordo com o protocolo de cada pessoa.

Normalmente, é solicitado quando há condições que podem complicar a saúde, como pneunopatia crônica, cardiopatias graves ou obesidade mórbida. Também pode ser indicado para quem tenha suspeita de insuficiência cardíaca. Assim, cumpre um papel essencial na manutenção da saúde do avaliado.

A avaliação correta da avaliação

Todos os testes que citamos ao longo desse post são eficientes e podem ser facilmente aplicados a qualquer pessoa que deseje começar a prática de atividades físicas, como uma forma de avaliar a capacidade de resposta aos exercícios.

Eles são fundamentais para que não se supere a capacidade máxima de condicionamento do indivíduo, o que poderia levar a doenças a longo prazo, como fadiga crônica, ou até mesmo questões mais sérias de imediato, como problemas cardiorrespiratórios em pessoas com graves patologias.

Porém, para que sejam efetivos, é necessário que os exames sejam feitos de forma adequada. Para as primeiras opções, o profissional deve ter os equipamentos devidamente calibrados e aferidos, bem como realizar os cálculos com suporte de calculadoras, seguindo estritamente as fórmulas e tabelas estabelecidas por cada metodologia.

No último caso, é necessário ter todos os equipamentos de obtenção de dados disponíveis devidamente calibrados, para não dar falsos resultados. Esta modalidade de avaliação cardiorrespiratória também pode ser realizada em clínicas médicas.

Ter consciência e responsabilidade sobre a saúde dos seus alunos é fundamental para ser um educador físico. Quer mais dicas para ser um bom profissional? Leia nosso post sobre o tema!

Quer se tornar um especialista da área esportiva?

Assine e receba tudo sobre treinamentos e as melhores práticas esportivas todo mês!

Sobre o autor

Unisport Brasil

Deixar comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Share This