Como evitar lesões musculares nos alunos? Veja 5 dicas essenciais
Aprendizado

Como evitar lesões musculares nos alunos? Veja 5 dicas essenciais

Escrito por Unisport Brasil

A atividade física é um hábito que proporciona vários benefícios para o organismo humano. Entretanto, a execução de todos os movimentos deve ser realizada da forma correta e apropriada — além de utilizar os equipamentos e o calçado adequado. Caso contrário, o praticante poderá sobrecarregar a musculatura e desenvolver alguns problemas.

Nesse sentido, o papel do professor de educação física é essencial. Esse profissional atua no preparo e aumento do condicionamento físico dos seus alunos e tem o conhecimento necessário de como evitar lesões musculares e outros problemas que podem incapacitar o jogador dentro do campo — além de terem o papel de incentivar os atletas e servir de exemplo para os alunos.

Quer saber como evitar lesões musculares nos seus alunos? Pensando nisso, você vai conhecer, a seguir, cinco dicas que ajudam a evitar o surgimento de danos na musculatura dos alunos. Acompanhe.

1. Evite treinamentos excessivos

O treinamento periódico e contínuo é uma estratégia para que o aluno melhore as suas habilidades e aumente o seu condicionamento físico com o tempo. O ideal é sempre manter determinada continuidade e intensidade. Isso significa que o nível de dificuldade pode ir aumentando gradativamente. Assim, os riscos do surgimento de lesões são reduzidos.

Por outro lado, evite o máximo possível impor treinamentos excessivos aos seus alunos — treinos muito longos, exercícios que exigem grande esforço físico, ausência de intervalos entre os exercícios etc. Todos esses hábitos precisam ser afastados, senão haverá uma grande possibilidade de desenvolvimento de dores e lesões musculares graves — além de estafa física, esgotamento mental, distúrbios alimentares e alterações no sono, por exemplo.

Tenha em mente que o objetivo da atividade física é trazer mais interação social, bem-estar, qualidade de vida, motivação e disposição para os jogadores — e também preparar bons atletas, se for o caso.

2. Realize alongamentos pré e pós-atividades

O alongamento é um hábito tão importante quanto o treinamento em si. Essa prática deve ser realizada antes e depois de todo esforço físico. Na verdade, trata-se de um verdadeiro desafio para o profissional educador físico, uma vez que os alunos costumam ficar muito empolgados com a competição e acabam deixando um pouco de lado os cuidados com o corpo — o que é um grave erro.

Alongar os músculos alivia as dores, diminui as tensões e evita o surgimento de lesões pré e pós-treino. Além disso, é uma ótima maneira de relaxar o corpo, aumentar a circulação sanguínea e acelerar a recuperação muscular pós-treino.

De uma maneira geral, os alongamentos são exercícios específicos cuja execução tem o intuito de aumentar a flexibilidade das fibras musculares e incentivar o seu estiramento, ou seja, elas conseguem aumentar de comprimento. Poucos milímetros já fazem uma grande diferença para todo o corpo.

Afinal, quanto mais alongado e preparado o corpo estiver, maior será a possibilidade de executar movimentos mais amplos e melhor será a performance do jogador. Sem contar que a prática do alongamento constante vai aumentando o “tamanho” das fibras com o tempo.

3. Realize aquecimentos antes da atividade física

O aquecimento é a fase imediatamente anterior ao treinamento de fato. Esse hábito ajuda a preparar a musculatura para o impacto do exercício físico que está por vir. Trata-se de uma prática que abrange grandes grupos musculares. Quando o músculo está “aquecido”, ele apresenta melhores resultados e um desempenho mais satisfatório.

O aquecimento é responsável por reduzir a resistência elástica e a resistência do atrito dos músculos, tendões e ligamentos. Desse modo, eles adquirem uma consistência um pouco mais elástica, o que os torna menos sujeitos a lesões.

Conheça, a seguir, outros benefícios do aquecimento para a execução de uma atividade física adequada:

  • aumenta a temperatura corporal;

  • prepara o sistema cardiovascular e pulmonar para o esforço físico que virá a seguir;

  • aumenta a irrigação do sangue pelos tecidos;

  • traz mais suprimento de oxigênio e nutrientes para o tecido muscular;

  • aumenta o volume respiratório.

4. Trabalhe as musculaturas agonistas e antagonistas de forma harmônica

Os músculos são considerados como agonistas quando concorrem para a execução do mesmo movimento. Por sua vez, os antagonistas são aqueles que trabalham de forma oposta, mas em conjunto para desempenhar os movimentos.

Como exemplos de músculos agonistas e antagonistas temos o bíceps e o tríceps. Trata-se de um grupo muscular que compõe o braço e trabalha de maneira conjunta e harmônica para poder executar os movimentos corretamente, como abrir e fechar os braços. Assim, a depender do movimento realizado, o bíceps assume a função de músculo agonista, o tríceps de antagonista e vice-versa.

Nesse sentido, é importante incentivar o trabalho dos músculos antagônicos e agônicos de maneira similar. Isso porque a diferença potencial de estímulos pode acabar trazendo diferenças significativas e sobrecarregar um tipo muscular. Assim, o ideal é adotar exercícios combinados que consigam desenvolver ambos os grupos musculares de forma semelhante.

5. Recomende a avaliação médica aos seus alunos

A avaliação com um médico capacitado antes de se submeter a uma atividade física é importante para verificar o condicionamento do aluno e a sua capacidade para participar de determinados esportes.

O profissional precisa analisar a situação cardiorrespiratória do paciente, a postura, o sistema ósseo, as dobras cutâneas etc. Além disso, é comum ele solicitar a realização de alguns exames, como de sangue e eletrocardiograma. Portanto, exija sempre a avaliação médica dos seus alunos antes de submetê-los a esforços físicos.

Os praticantes de atividades físicas precisam contar com o apoio e as orientações de um educador físico durante o treinamento. Afinal, ele entende como ninguém sobre as melhores estratégias para aperfeiçoar a performance dos alunos e sabe como evitar lesões musculares e o surgimento de outros problemas que poderiam comprometer o seu desempenho durante as competições. Nesse sentido, é possível adotar algumas medidas preventivas que ajudam a reduzir e até mesmo eliminar por completo as chances de ocorrência de acidentes.

Além de evitar lesões, um educador físico competente precisa potencializar os ganhos dos seus atletas. Saiba mais como aumentar a resistência muscular e melhorar o desempenho dos seus alunos durante a partida!

Quer se tornar um especialista da área esportiva?

Assine e receba informações gratuitas sobre treinamentos e as melhores práticas esportivas!

Sobre o autor

Unisport Brasil

Deixar comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Share This