Conheça a evolução da fisiologia do esporte e sua importância
Aprendizado

Conheça a evolução da fisiologia do esporte e sua importância

Escrito por Unisport Brasil

A performance dos atletas de ponta hoje é bem superior àqueles do passado. Muito dessa evolução se deve a fisiologia do esporte. Recordes quebrados constantemente e números sendo superados com facilidade, as limitações no esporte parecem não mais existir.

Hoje em dia, ao assistirmos uma partida de futebol, ouvimos o comentarista chamar determinados jogadores de “máquinas”. Embora sabemos que seja algo no sentido figurado, a verdade é que também ficamos impressionados com os feitos desses atletas. Então, é factível afirmar que a fisiologia evoluiu e mudou de vez o esporte mundial? Mas como isso aconteceu? Até que ponto a ciência influencia no rendimento dos atletas?

Continue lendo e tenha essas e outras questões respondidas. Acompanhe.

A evolução da fisiologia do esporte

Hoje, já sabemos que o desempenho esportivo requer vários esforços dos órgãos do corpo humano e de seus sistemas, e que as funções fisiológicas do organismo humano devem adaptar-se e responder otimamente às necessidades aumentadas do exercício muscular.

No entanto, há pouco tempo, algo em torno de duas décadas, os grandes clubes e atletas não conheciam ou, pelo menos, não faziam questão de estudar sobre os benefícios da fisiologia. Na verdade, ainda que o esporte tenha um grande lado teórico, muitos esportistas apenas focavam lado prático.

Porém, apesar dessa comoção parecer algo recente, a fisiologia do esporte é estudada por cientistas desde o século XIX. Isso pode ser confirmado através do livro Physiology of Bodily Exercise, de 1889, no qual o escritor Fernand LaGrange fala sobre a fisiologia do exercício, o estudo inicial da fisiologia do esporte.

Mas, as grandes pesquisas só vieram mesmo a partir do século XX. E, a grande evolução só aconteceu depois dos anos 60, quando os laboratórios resolveram aplicar a fisiologia do exercício.

A importância da fisiologia do esporte

Quando submetido a um esforço físico, o corpo se adapta estabelecendo mecanismos regulatórios específicos. Fatores como o consumo de oxigênio ou a mobilização muscular variam de atleta para atleta, dependendo da idade, do sexo ou do potencial genético. É importante conhecer essas determinações e os princípios fisiológicos do esforço de apoio aos atletas.

É exatamente nesse ponto que a fisiologia do esporte é essencial. Sendo uma evolução da fisiologia da atividade física, essa ciência estuda as respostas e adaptações crônicas as muitas condições de exercício.

Além disso, a maioria dos fisiologistas esportivos estuda o efeito do exercício em patologias e os mecanismos pelos quais essas atividades podem reduzir ou reverter a progressão de uma doença, contusão, entre outros.

A partir desse trabalho é possível entender fatores como:

  • bioenergia que determina o desempenho;

  • músculo esquelético que reage ao estresse;

  • aptidão aeróbia.

A influência no rendimento dos atletas

A capacidade de movimento do ser humano é baseada em uma variedade de contrações e relaxamentos de algumas centenas de músculos, cada um dos quais envolve milhares de fibras musculares.

O sistema nervoso central torna possível transformar ações motoras simples em um todo coerente. O plano do movimento voluntário coordena a atividade dos músculos agonistas e antagonistas (coordenação do movimento), os processos de excitação e inibição nervosa estão intimamente ligados.

Em uma simples corrida um atleta precisa movimentar diferentes músculos de vez, além de precisar respirar corretamente para alcançar um alto rendimento. A influência da fisiologia do esporte é exatamente por pegar essas informações e trabalhar em cima de soluções e otimização do preparo do competidor.

A expressão “Tenha o Coração de um Atleta” faz todo o sentido com as linhas que se seguem. Em resposta ao treinamento aeróbico, o peso e o volume do seu coração aumentam.  O músculo cardíaco (miocárdio) é o primeiro a experimentar hipertrofia (aumento) e a parede do seu ventrículo esquerdo, que é submetida a uma pressão mais alta, engrossa.

A quantidade de sangue que o coração ejeta a cada contração (volume de derrame) também aumenta. Isso concede, ao mesmo tempo, uma melhoria no desempenho desportivo de resistência.

Graças ao acompanhamento da fisiologia do esporte, ao completar um treino, um profissional consegue que sua frequência cardíaca retorne ao normal muito mais rapidamente. Essa aplicação é o que diferencia a rotina e o desempenho de uma pessoal normal e um atleta de alto rendimento.

Como trabalhar a fisiologia do esporte de forma correta

A fisiologia do esporte é uma ciência, e como tal, precisa ser trabalhada de formas específicas para que se obtenha o resultado esperado. Como o intuito maior é melhorar a performance dos atletas, a maneira mais adequada de se aplicar a esse tipo de estudo é por meio de testes práticos.

Por exemplo, o teste de volume de O2 e CO2.

VO2 Max

O teste de exercício com medida de trocas gasosas é um estudo que avalia a aptidão aeróbia de um atleta. Essa exploração também é amplamente utilizada para determinar a origem da dispneia de esforço (falta de ar anormal), tendo como objetivo a busca pelo fator limitante (cardiológico, respiratório ou muscular).

Essa prática é diferente de um teste clássico de estresse cardiológico, que visa principalmente a adaptação cardiovascular ao exercício e não leva em consideração o componente respiratório VO2.

Os volumes de O2 e CO2, inspirados e exalados, são coletados por meio de máscara, e permitem analisar a adaptação respiratória do atleta em relação à intensidade do esforço requerido.

A fisiologia do esporte no futebol

O futebol é esporte mais popular no mundo e, aqui no Brasil, para muitos, é um fator quase religioso. Sendo, podemos dizer que o futebol tem uma grande parcela na disseminação da importância da fisiologia do esporte.

Quando algo é implementado e apresenta bons resultados no maior esporte do mundo, significa que muitas pessoas terão curiosidade em conhecer esse fator determinante. No Brasil, por exemplo, grandes clubes como o Palmeiras colocam a fisiologia do esporte como uma grande aliada em suas conquistas.

Na Europa, esse conceito já é implementado há muito tempo, com os atletas passando por baterias de exames na pré temporada. Entre os grandes clubes que implementam a fisiologia do esporte na sua rotina, estão:

  • Real Madrid;

  • Barcelona;

  • Chelsea.

Em suma, a fisiologia do esporte evoluiu muito com o passar dos anos e ganhou grande espaço em clubes e no meio esportivo no geral. O mais interessante é que essa ciência ainda tem muito a contribuir para a vida dos atletas e amantes do esporte.

Gostou das informações sobre a fisiologia do esporte? Não esqueça de assinar a nossa newsletter para não perder nenhum conteúdo.

Quer se tornar um especialista da área esportiva?

Assine e receba informações gratuitas sobre treinamentos e as melhores práticas esportivas!

Sobre o autor

Unisport Brasil

Deixar comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Share This