O que fazer para se tornar um técnico campeão de basquete?
Basquete

O que fazer para se tornar um técnico campeão de basquete?

Escrito por Unisport Brasil

Com o avanço das tecnologias e do treinamento físico e esportivo, cada vez mais, os treinadores estão buscando aperfeiçoamento e dicas para se tornarem campeões e sobressaírem às outras equipes. Esse cenário não é diferente para os técnicos de basquete, que precisam se dedicar muito para serem grandes profissionais.

Essa dedicação pode ser realizada de diversas maneiras, por meio de muitas ações. Você aí, que quer ser um excelente treinador, deve estar se perguntando que ações são essas, não é mesmo?

Não pense que te deixaremos sem resposta! Para ajudar, elaboramos este superguia, com muitas dicas para você se tornar um técnico de basquete campeão! Vamos lá?

1. O papel do técnico de basquete

O papel de um treinador vai muito além de ensinar os fundamentos técnicos e táticos aos jogadores. Ele é a cabeça pensante do time e o responsável por elaborar todo o planejamento estratégico da equipe, que envolve diferentes variáveis, como o posicionamento do adversário, a motivação dos atletas, o estabelecimento de metas, as ações para que o time atinja as metas, etc.

Para exemplificar, separamos algumas atribuições do técnico de basquete. Confira!

1.1 Saber ensinar e se fazer compreendido

Muitos acreditam que, para ser um técnico de basquete, é necessário ser um excelente jogador, porém, a virtude mais importante de um treinador campeão é saber ensinar os fundamentos aos atletas e passar de maneira clara e precisa todas as informações e conhecimento que tem.

De nada adianta ser um excelente jogador se os seus atletas não conseguirem compreender como eles devem realizar as jogadas que você sabe fazer. Nesse ponto, é papel do professor saber selecionar as ações importantes que cada jogador deve aprimorar.

1.2 Ouvir os jogadores

Além de saber se expressar e repassar informações, o técnico tem como um dos papéis aprender a ouvir os seus atletas. Não é necessário ser um psicólogo e resolver problemas que não são de sua alçada, mas é importantíssimo ser um bom ouvinte. Essa estratégia faz com que os atletas também aprendam a escutá-lo.

1.3 Receber críticas

Apesar de parecer estranho, é responsabilidade do técnico receber críticas, e uma habilidade do mesmo conseguir tirar proveito positivo delas. O treinador não é o dono da verdade e, por isso, deve estar atento às críticas que recebe.

É preciso filtrá-las, para saber o que realmente vale a pena levar em consideração. Muitas vezes, dar ouvidos aos feedbacks e procurar melhorar os quesitos que necessitam aprimoramento é o que diferencia os treinadores campeões dos fracassados.

2. As características do treinador campeão

Além do papel que desempenham à frente da equipe, os treinadores campeões devem ter algumas características que façam com que eles consigam sobressair aos demais. Veja, a seguir, algumas delas:

  • democrático: deve sempre avaliar os fatos e escolher a melhor alternativa, isentando qualquer parte de privilégios;
  • motivador: fazer com que o atleta se sinta capaz e persista nos objetivos propostos a ele;
  • líder: saber gerir a equipe sem que nenhum atleta tenha voz superior à sua;
  • atento: o treinador campeão está atento a todos os fatores que podem influenciar no rendimento da sua equipe, tanto dentro do clube como extracampo;
  • versátil: o treinador campeão é aquele mais preparado para adaptações e improvisações. Uma estratégia montada não é uma ciência exata, é preciso ter um bom plano B;
  • dedicado: não existe vitória sem esforço. É preciso muita dedicação e entrega para ser um técnico campeão de basquete.

3. Os melhores treinadores de basquete da história

Apesar de não saírem das mãos dos técnicos os arremessos certeiros nos últimos segundos, eles têm grande influência nas jogadas extraordinárias e resultados positivos das equipes.

Para você se inspirar, separamos dois dos melhores técnicos de basquete. Acompanhe e descubra um pouco das suas conquistas e do seu caminho até o sucesso!

3.1 Phil Jackson

Phil Jackson iniciou no basquete na década de 60. Campeão como atleta da NBA por duas vezes, ele era um jogador comum, que ocupou o banco de reservas por muitos jogos. Apesar disso, sua carreira como técnico de basquete foi brilhante, fazendo-o ser considerado por muitos o melhor treinador de todos os tempos.

Com mais de 500 jogos em sua carreira, foi o técnico mais vencedor em playoffs e com maior aproveitamento de vitórias entre todos do Hall da Fama. Phil Jackson sagrou-se campeão da NBA como treinador por 11 vezes: 6 pelo Chicago Bulls e 5 pelo Los Angeles Lakers.

Uma de suas maiores virtudes é a grande capacidade holística. Além disso, ele aprimorou e soube aplicar com perfeição um dos melhores sistemas de ataque da NBA, o Tex Winter. A tática do triângulo ofensivo utilizada por ele foi uma das responsáveis por seu sucesso.

3.2 Togo Renan Soares – Kanela

Togo Renan Soares, mais conhecido como Kanela, marcou era no basquete brasileiro. Ele começou no mundo esportivo como técnico de futebol, treinando, entre outros, o time do Flamengo.

Sua história como técnico de basquete teve início na década de 40, como treinador do Flamengo, onde permaneceu até o ano de 1970. Entre 1951 e 1971, Kanela foi também técnico de basquete da Seleção Brasileira.

Ele revolucionou a maneira de jogar basquete no Brasil. O jogo naquela época consistia apenas em passes parados e arremessos. Foi por causa de Kanela que o jogo dinâmico e de velocidade começou a ser praticado no basquete brasileiro.

Seus principais títulos são: bicampeão mundial em 1959 e 1963, vice-campeão mundial em 1954 e 1970, penta campeão sul-americano, uma medalha de prata e 3 de bronze nos Jogos Pan-Americanos.

4. Os segredos para se tornar um campeão

Ser um técnico de basquete de destaque exige esforço, cuidado, empenho e entrega. Ao final de uma competição, entre tantos times, apenas um sai campeão. Para ser o treinador dessa equipe, não basta fazer o que todo mundo faz, é preciso que ter diferenciais que farão o seu time se sair melhor.

Para que você consiga chegar lá, vamos contar alguns segredos que devem ser seguidos.

4.1 Conquiste a confiança do seu time

A relação entre atletas e técnico precisa, necessariamente, ser de confiança. Não pode haver, entre esses dois elos, dúvidas e questionamentos quanto às atitudes e o caráter de cada um.

Os jogadores devem acreditar na capacidade de trabalho do treinador e confiar nos seus planos e ações, caso contrário, ficará muito mais difícil de passar recomendações e objetivos à equipe.

Confira algumas medidas que você deve tomar para que o seu time confie em você:

4.1.1 Aproxime-se dos atletas

Ficar mais próximo dos jogadores não quer dizer que você deva ser melhor amigo de todos e que deva participar de suas vidas sociais. Aproximar-se dos atletas significa desenvolver uma determinada empatia, ou seja, você deve ser capaz de se colocar no lugar dos seus jogadores e aprender a ouvi-los.

Não seja autoritário, faça com que a equipe sinta que todos são importantes e que a hierarquia não funciona de maneira vertical, e sim de forma horizontal, com todos podendo participar, opinar e saber por que cada decisão foi tomada.

Essas atitudes mantêm os jogadores mais próximos, mais confiantes e, com certeza, mais motivados.

4.1.2 Aceite feedbacks

Estar aberto a receber feedbacks, tanto positivos, como negativos, contribui para que os jogadores mantenham a confiança no treinador. Isso acontece porque os atletas passam a perceber que suas opiniões são importantes e que, de alguma maneira, podem contribuir com o time.

Se o treinador não estiver preparado para ouvir as sugestões e críticas dos jogadores, muitas vezes pode despertar o sentimento de autoritarismo, fazendo com que os atletas não se sintam confiantes em participar.

4.1.3 Cumpra a sua palavra

Você não tem a obrigação de prometer nada, mas, a partir do momento em que propõe alguma coisa aos jogadores, é proibido descumprir. Por exemplo, se você prometer uma folga caso a equipe vença um jogo importante, em hipótese alguma pode marcar treino.

Caso você não mantenha as suas promessas, a confiança que os jogadores depositam em você pode ser comprometida, sendo muito difícil reverter a situação posteriormente.

4.2 Motive a sua equipe

Falando em motivação, esse também é um dos pilares de sustentação de uma equipe campeã, que deve ser cuidado para que não desmorone. De nada adianta ter os melhores atletas à disposição se eles não estiverem motivados para dar o melhor de si em prol do conjunto.

É função do treinador deixar os atletas motivados. Eles precisam acreditar que podem fazer a diferença, por isso, mesmo em meio às críticas necessárias, nunca deixe de elogiar uma boa jogada, independente de o seu destino final ter sido a cesta ou não.

É importante valorizar cada avanço de um jogador e fazer com que ele saiba que está evoluindo. Em grande parte das vezes, atletas medianos motivados podem ter um melhor resultado do que uma estrela sem motivação.

Veja diversas formas de motivar os seus jogadores:

4.2.1 Conheça cada jogador

A motivação não é igual para todas as pessoas. Enquanto alguns atletas procuram dar o melhor de si para recompensar o desempenho após alguma crítica, outros podem simplesmente ficar sem motivação alguma por ter recebido um feedback negativo.

Por isso, é muito importante que o treinador conheça a individualidade de cada jogador e a maneira como reagem aos comentários positivos e negativos.

4.2.2 Valorize os jogadores

Mesmo que algum jogador não esteja mantendo um bom desempenho, é necessário que o professor valorize as suas tentativas e o seu esforço. Elogie as tentativas e incentive que o atleta continue buscando melhorar a performance cada vez mais.

4.2.3 Celebre as pequenas conquistas e evoluções de cada um

Procure nunca falar de uma só vez todos os erros que um jogador cometeu durante uma partida ou um treino. Equilibre as críticas e os elogios. Uma boa maneira de fazer isso é comentar sobre uma jogada errada e, logo após o comentário, lembrar-se de outra em que o jogador se saiu bem.

Dividir as críticas em etapas é uma excelente tática para não desmotivar completamente o jogador. Procure consertar os defeitos aos poucos, potencializando as habilidades e ajudando-o a aprimorar as deficiências.

4.2.4 Compense a equipe

Elabore um plano de metas e objetivos para o time e ofereça compensações sempre que um resultado almejado for conquistado. Aqui é muito importante que as metas sejam realistas e compatíveis com a situação e qualidade do time.

Metas muito difíceis de ser atingidas muitas vezes não resultam em motivação e podem até mesmo virar motivo de risada entre os jogadores.

A dica, então, é criar pequenos objetivos para se alcançar um maior, ou seja, ofereça recompensa se o time chegar a determinada colocação e aumente o bônus progressivamente caso a equipe consiga resultados melhores.

4.2.5 Procure deixar o ambiente de trabalho leve e agradável

Nunca deixe o ambiente pesado. Caso aconteçam situações negativas, procure resolvê-las no momento em que aparecerem, para que, no próximo dia, tudo volte ao normal. Ambientes de trabalho não agradáveis costumam afetar o desempenho dos jogadores.

4.2.6 Mantenha-se motivado e motive os jogadores pelo seu exemplo

Você não vai conseguir motivar ninguém se estiver desmotivado. Por isso, mantenha-se alegre! Acredite sempre no seu time, tenha confiança nos atletas e procure sempre passar energia positiva a todos.

Uma boa maneira de aumentar a motivação dos atletas é por meio de exemplos de equipes e jogadores de sucesso e filmes sobre o assunto. Separamos alguns filmes para você colocar na sua lista:

  • Rocky (1976): Rocky, o personagem, não tem recursos e precisa ser persistente para alcançar o seu objetivo, que é se tornar um campeão no boxe;
  • Menina de ouro: mais um filme de boxe que relata a persistência e a força de vontade de uma boxeadora;
  • O atleta: o filme conta a história de superação, motivação e força de vontade de um corredor;
  • Senna: a história do grande campeão brasileiro;
  • Paratodos: mostra o dia a dia de oito atletas paralímpicos do Brasil nas Olimpíadas de Londres;
  • Invictus: conta a história de superação de jogadores de rúgbi da África do Sul, em meio ao apartheid.

4.3 Tenha atitude de um líder

Para ganhar a equipe e fazer dela campeã, o treinador precisa ser um verdadeiro líder e ter o domínio sobre todos os jogadores. Manter o grupo unido e compreensivo quanto às suas decisões é um grande passo em busca de grandes conquistas.

Em um time de basquete, o treinador vai encontrar muitos perfis diferentes, então, cabe a ele conseguir unir todos em torno do mesmo objetivo. A equipe precisa ser homogênea e focada em um objetivo em comum, para que, mesmo em meio a tantas diferenças, todos tenham a capacidade de seguir o líder.

Muitos são os papéis do líder em uma equipe, e todos influenciam no desempenho da mesma. O técnico precisa coordenar a todos com muito entusiasmo. A vontade de conquistar as metas deve ser repassada aos jogadores com eficácia.

Muitas vezes, os atletas vêm de outros clubes com vícios de jogadas e comportamentos que diferem da equipe em que estão. É papel do líder alinhar todos, para que “falem a mesma língua”, e para isso o técnico necessita de um bom comando de voz.

Saiba quais as características de que um técnico de basquete precisa para ser um líder:

  • ser capaz de agregar ao grupo tanto jogadores talentosos quanto os que precisam ainda desenvolver algumas habilidades;
  • planejar metas ambiciosas, manter os jogadores motivados e conseguir conquistá-las;
  • buscar o máximo de cada jogador;
  • contrariar interesses individuais, visando sempre o melhor para a equipe, mesmo que isso custe a popularidade;
  • ser convicto de suas ações e decisões. Um líder nunca pode demonstrar incertezas ou dúvidas, mesmo que as tenha;
  • dar mais valor para o grande grupo do que para o individual;
  • saber controlar as suas emoções;
  • ser sempre honesto;
  • conseguir se comunicar de maneira clara com todos os atletas;
  • ser organizado;
  • conseguir fazer uma boa gestão de conflitos.

4.4 Busque capacitação

Com o desenvolvimento das novas tecnologias e o crescimento de pesquisas relacionadas ao esporte, os treinadores e profissionais de educação física precisam estar atentos e sempre atualizados.

Existem diversas maneiras de buscar essa capacitação, conforme mostraremos a seguir.

4.4.1 Cursos

O basquete foi criado nos Estados Unidos, país que detém muito conhecimento sobre o esporte. Muitas vezes, fica inviável ao profissional de educação física viajar para outros países para buscar capacitação, no entanto, muitas empresas fazem esse serviço e o oferecem para os treinadores no Brasil.

Sendo assim, não é preciso ir direto à fonte para conseguir se capacitar. O processo pode ser muito mais simples! Procure cursos disponíveis no mercado, atentando sempre para os comentários de pessoas que já os realizaram. Confira se os profissionais que oferecem o curso são capacitados e se a empresa é séria.

Caso você não tenha muito tempo disponível, é possível optar por cursos online, que são tão bons quanto os presenciais e têm algumas vantagens.

Uma delas é poder escolher os dias, horários e locais em que você assistirá às aulas. Se a rotina for corrida, cada período curto de descanso pode ser a oportunidade de assistir a alguma aula!

4.4.2 Seminários e palestras

As palestras e seminários costumam ser eventos curtos, com custo baixo e muitas informações. Fique atento à agenda de eventos relacionados à área de esportes em sua cidade e, sempre que possível, marque presença!

4.4.3 Voluntariado

Outra boa opção de capacitação é por meio de voluntariado. Caso você ainda não tenha muita experiência com o basquete e deseje entrar na área, pode tornar-se ouvinte voluntário em algum projeto de pesquisa sobre o esporte ou voluntário em um clube de basquete.

Ambas as experiências são excelentes oportunidades de aprendizagem e acrescentam muito conhecimento à carreira dos profissionais de educação física que desejam despontar na vida profissional.

Lembre-se de que, grande parte das vezes, você paga pelo conhecimento, mas, neste caso, o voluntariado é uma maneira de obter as informações com um baixo custo. O ideal é combinar esse projeto com cursos, para conseguir colocar em prática o que foi aprendido na teoria. Essa troca é ótima para conseguir experiência.

4.5 Aprenda com as derrotas

Nenhum time consegue vencer sempre. Mesmo em meio a muitas conquistas, sempre haverá derrotas, e os técnicos de basquete precisam saber lidar com elas. A primeira dica é aprender a aceitá-las, aumentando, assim, a disposição para seguir adiante.

Como tudo na vida, há o lado bom na derrota também: o aprendizado. Sempre que o time perder, analise os motivos, mostre aos atletas e elabore uma estratégia para melhorar os pontos que falharam.

As derrotas mostram variáveis antes não consideradas que afetam o desempenho da equipe, e é tarefa do treinador observá-las e trabalhar, juntos aos jogadores, para corrigir os erros.

Sendo assim, todas as dificuldades são importantes para tornar a equipe mais madura, mais segura e com uma maior experiência para lidar com os fracassos.

Além disso, é importante não encontrar culpados na derrota. Procure sempre trabalhar os fatos em equipe, usando como exemplo a equipe, e não somente erros pontuais e individuais. Não se esqueça de atribuir a responsabilidade a si mesmo também, afinal, o treinador, mesmo que não vista a camisa e não arremesse a bola, também faz parte da equipe.

Outro detalhe importante é não comemorar a vitória antes do apito final. Podemos citar como exemplo a Seleção de Basquete dos Estados Unidos, que vinha em uma sequência invicta de 63 jogos nas Olimpíadas de 1972.

Nesse evento, os americanos estavam ganhando com a mínima diferença dos soviéticos e comemoraram a vitória quando o time adversário perdeu o último lance, contudo, o juiz acrescentou três segundos ao jogo, dando chance para a virada acontecer.

4.6 Marque jogos amistosos

Os amistosos são importantes eventos para analisar e testar ao máximo todas as possibilidades disponíveis. É interessante sempre variar a qualidade do adversário e o estilo de jogo, para poder ter mais situações para comparação.

Ademais, os amistosos preparatórios são bons para que os atletas consigam manter o ritmo de jogo que, em grande parte das vezes, é perdido durante a pré-temporada.

O basquete foi criado nos Estados Unidos e trazido ao Brasil no século passado. O país foi o primeiro da América Latina e o 5° do mundo a conhecer o esporte, que, entre altos e baixos, hoje faz muito sucesso, sendo uma excelente área para educadores físicos.

Assim como em todos os esportes, é necessário que os treinadores se especializem, não se acomodem, estejam atentos ao mercado e busquem cada vez mais capacitação para se destacar em meio à grande concorrência.

Agora que você já sabe o que fazer para se tornar um técnico de basquete campeão, deixe um comentário no post e compartilhe sua opinião com a gente! Até a próxima!

Quer se tornar um especialista da área esportiva?

Assine e receba informações gratuitas sobre treinamentos e as melhores práticas esportivas!

Sobre o autor

Unisport Brasil

3 comentários

  • Trabalho como técnico de basquete em projetos sociais há mais ou menos 25 anos gostaria de ter tido a oportunidade de ter conhecimentos disponíveis assim quando comecei. Mas não vou perder a oportunidade de evoluir agora com a chance sempre dá tempo o jogo às vezes só acaba quando termina. Obrigado pelos conselhos pertinentes e evolutivos.
    Abraços a todos e aguardando disponibilização de mais conhecimento.

Deixar comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Share This