Talentos no basquete: como identificar e desenvolver jovens atletas
Basquete

Talentos no basquete: como identificar e desenvolver jovens atletas

Escrito por Unisport Brasil

Você sabe como encontrar talentos no basquete? A história do basquete no Brasil já teve altos e baixos e, atualmente, o esporte está cada vez mais popular, apresentando um alto crescimento no país. Desde 2012, a NBA — que é a Associação Nacional de Basquete Americano, e a mais famosa do mundo — tem um escritório no Brasil com o intuito de impulsionar o esporte. No ano de 2017, inclusive, a NBA e LNB (Liga Nacional de Basquete) anunciaram uma grande parceria para desenvolver a modalidade por aqui.

Com o aumento do número de ligas e com a popularidade do esporte, jovens atletas estão se interessando muito pela modalidade, sendo uma oportunidade perfeita para que treinadores consigam selecionar talentos no basquete.

Se você é um desses treinadores, preparamos este post para você! Continue lendo e descubra como identificar se o atleta tem habilidade natural para o esporte, aprenda a selecionar bons jogadores e saiba como treinar os talentos no basquete. Preparado? Então, vamos nessa!

Identificando e encontrando talentos no basquete

O primeiro passo para desenvolver talentos no basquete é saber onde encontrá-los e como identificá-los. Em meio a tantos jovens que praticam o esporte, o treinador não deve deixar nenhum local de fora das suas observações.

Uma boa ideia é começar pelas escolas. Separe todas as instituições de ensino às quais tenha acesso e faça uma visita durante as aulas comuns de Educação Física e durante o treinamento de basquete extraclasse. Converse com os professores e pergunte sobre os seus atletas, suas características e quais deles têm talento em destaque.

Além das escolas, os clubes da cidade também são excelentes locais para identificar talentos no basquete. Procure observar os atletas em momentos distintos, como durante os treinamentos, em dias de amistosos e jogos oficiais. Lembre-se de que o comportamento de cada um pode mudar de acordo com as situações a que são expostos.

Por fim, outro meio para achar jogadores brilhantes é em quadras públicas. Nesse caso, é preciso paciência e perseverança, pois, provavelmente, o número de observações até encontrar um talento será mais elevado.

Em grande parte das vezes, há apenas um pequeno tempo disponível para analisar cada atleta e, por isso, é fundamental saber quais são as características que devem ser consideradas em um excelente jogador de basquete. É importante ressaltar que o perfil a ser notado em cada atleta varia de acordo com a idade e isso deve ser levado em conta.

Categoria infantil

Na categoria infantil, as principais características que contam para que uma pessoa seja um bom atleta são as suas habilidades e o seu talento. Nessa fase da vida, todos os outros atributos devem ser desconsiderados, já que o corpo ainda está em formação e a criança pode se desenvolver de acordo com as necessidades do esporte.

Categoria juvenil

As características que devem ser notadas em um atleta de categoria juvenil são um pouco mais elaboradas que no infantil. Nessa idade, o desempenho motor, porte físico e o condicionamento começam a ser importantes, e podem ser utilizados como fatores eliminatórios para optar entre atletas.

Apesar disso, o fator principal a ser analisado em atletas jovens continua sendo a sua habilidade e a capacidade de demonstrar o seu talento e diferencial em quadra.

Categoria adulta

Normalmente, a categoria adulta engloba atletas semiprofissionais ou profissionais. Nessa fase da carreira, todos os jogadores se igualam no que diz respeito ao desenvolvimento motor e porte físico. Sendo assim, essas peculiaridades passam a ser consideradas na análise de desempenho do atleta e interferem na hora de encontrar talentos no basquete.

Descobrindo as características dos talentos no basquete

Para conseguir encontrar os melhores talentos no basquete em escolas, clubes ou parques, é necessário que o treinador saiba exatamente o que observar. Por isso, separamos algumas características que esses atletas devem ter.

Trabalho em equipe

O basquete é um jogo de equipe e, por esse motivo, os jogadores devem saber trabalhar em conjunto. De nada adianta um atleta ser muito talentoso se não conseguir contribuir para o bem de todo o time. Sendo assim, o trabalho em equipe é uma das características que o treinador deve checar no momento que estiver buscando jogadores diferenciados.

Para tanto, é necessário prestar atenção no comportamento em quadra. Confira se o atleta é um bom companheiro de equipe e se suas atitudes são em prol do conjunto ou individualistas.

Entusiasmo

Um grande talento não é feito apenas da capacidade de acertar a cesta o maior número de vezes possível. O atleta diferenciado que você deseja ter em sua equipe deve ter entusiasmo e ser capaz de contagiá-la.

Ao analisar os atletas, certifique-se de que têm vontade de vencer. Veja se parecem motivados e competitivos. Desejar a vitória da equipe e não ficar indiferente perante a derrotas são características que devem estar presentes nos campeões.

Responsabilidade

Ser responsável é um fator positivo, principalmente para atletas jovens e de categorias iniciantes. Ao buscar talentos, não deixe de avaliar o comportamento de cada um em quadra.

Observe se levam a partida a sério, se jogam com segurança e se realmente agem em benefício da equipe. Lembre-se de que, assim como todas as outras características de comportamento, a responsabilidade pode ser trabalhada, mas quanto menor for mais difícil será.

Habilidades motoras

A prática pode moldar as habilidades motoras. Quanto mais treinado um atleta for e quanto mais vezes repetir os movimentos do jogo, mais chances terá de acertar. Jogadores de categorias infantis estão no início do seu desenvolvimento motor e, por esse motivo, têm mais tempo para aprimorá-lo. No entanto, aqueles com mais idade precisam ter habilidades já desenvolvidas se quiserem ser grandes atletas.

Apesar do treinamento, alguns jogadores simplesmente têm mais habilidade do que os outros e fatores genéticos podem estar associados a isso. Ao procurar por talentos no basquete, verifique suas habilidades motoras e lembre-se: quanto mais velhos, mais desenvolvidas devem ser.

Percepção de espaço

Outra característica indispensável que os talentos no basquete devem apresentar é a percepção de espaço. Saber o que fazer na quadra e para onde mover-se enquanto não se está com a bola é tão importante quanto saber o que fazer quando se está com ela.

Além disso, a percepção de espaço também ajuda a realizar jogadas que são ensaiadas durante o treinamento. Alguns atletas simplesmente não sabem como se comportar quando outros fatores são adicionados ao que foi treinado.

Talentos lidam muito melhor com o imprevisto e se movem de forma espontânea. A percepção de espaço diferencia jogadores e, portanto, deve ser observada com cuidado. Inclusive, existem softwares que auxiliam na análise dos movimentos e desempenho.

Encontrando as melhores posições para um jovem atleta no basquete

As características físicas e habilidades no basquete são importantes para determinar qual é a posição ideal para cada atleta em quadra. Para que um treinador possa ter mais sucesso na busca por talentos no basquete e consiga desenvolver os jovens de maneira correta, ele deve saber essas informações.

Com o objetivo de auxiliar na busca e identificação de novos talentos no basquete, neste tópico, vamos detalhar todas as posições do basquete e o que os atletas devem ser e fazer para serem bons nelas.

Posição 1: armador (point guard)

Também conhecido como point guard, ou posição 1, o armador é o jogador responsável pelas jogadas de ataque da equipe, além de ser o primeiro homem na linha defensiva durante o ataque adversário. A principal função desse atleta é criar jogadas para que os companheiros possam pontuar.

Ele é o cérebro do time e é sua responsabilidade organizar as jogadas, o ritmo de jogo e distribuir a bola. Por causa dessas designações, ele é o atleta que melhor representa o treinador. Uma das principais características de um armador é a velocidade de decisão. O atleta deve ter uma ampla visão da quadra e poder escolher rapidamente qual é a melhor opção de lançamento da bola para criar uma jogada que se converta em cesta.

Se você encontrar possíveis talentos no basquete com baixa estatura, não desanime! Esse jogador pode se enquadrar perfeitamente na posição de armador, já que, nela, é preciso ter uma maior mobilidade e controle da bola, o que é favorável aos mais baixos.

Além da rápida tomada de decisão, um bom armador precisa ter muita flexibilidade e agilidade para criar as jogadas com rapidez e estar sempre à frente da reação do adversário, além de uma boa condução de bola para levar o time ao ataque.

Características do armador: boa velocidade em tomadas de decisões, flexibilidade, agilidade e estatura mediana.

Posição 2: ala armador (shooting guard)

O ala armador, ou shooting guard, é o atleta que auxilia o armador e, por isso, precisa ter uma boa condução de bola e ser habilidoso. Assim como o armador, o ala armador é considerado um jogador de defesa, ou backcourt player, já que, em grande parte do tempo, ocupa a parte do fundo da quadra de ataque.

Uma das principais funções para aqueles que ocupam essa posição é acertar a cesta de média ou longa distância. Diferentemente do armador, quando têm a opção de definir a jogada arremessando a bola ou passando para um companheiro, o ala armador sempre escolhe marcar o ponto.

Além disso, a velocidade é uma característica importante para quem que joga como ala armador e, por esse motivo, tais atletas costumam ser os mais velozes da equipe. A principal função que eles desempenham por meio do uso da velocidade é a infiltração na defesa, feita após o armador realizar a transição entre a defesa e o ataque.

Características do ala armador: velocidade, recepção de bola, arremesso de média e longa distância.

Posição 3: ala (small forward)

O ala é o atleta que joga mais próximo à cesta, atuando na parte da frente da quadra, conhecida como frontcourt. Ele deve ser o jogador mais completo da equipe, pois desempenha constantemente funções destinadas a outras posições, como auxiliar.

A principal tarefa dele é fechar o contra-ataque da equipe adversária, em parceria com o ala armador. Por esse motivo, é necessário que também tenha uma boa leitura de jogo. Além disso, o ala deve conseguir adentrar o garrafão com facilidade, ter um bom arremesso e participar dos rebotes junto com os pivôs.

Características do ala: velocidade de reação, leitura de jogo, resistência e agilidade.

Posição 4: ala pivô (power forward)

O ala pivô fica posicionado próximo ao garrafão. Com relação ao porte físico, esse atleta precisa ser alto e, em grande parte das vezes, é o mais forte do time. Eles devem ter uma boa noção de espaço e visão de jogo, já que atuam de costas para a cesta, alternando a posição com os pivôs.

A principal diferença entre as duas posições (pivô e ala pivô), está relacionada ao arremesso. Enquanto os pivôs costumam pontuar próximos ou dentro do garrafão, os alas pivôs geralmente realizam bons arremessos em uma distância média e têm bom aproveitamento a longa distância.

Características do ala pivô: bom porte físico, habilidade e rapidez para rebotes, bom arremesso a média distância e rápida movimentação.

Posição 5: pivô (center)

Também conhecido como central, o pivô é o jogador mais alto do time e o que está posicionado mais próximo à cesta. Ele atua dentro do garrafão, tanto na defesa como no ataque. Normalmente, esse atleta não tem um bom arremesso de média ou longa distância, mas compensa desempenhando outras duas importantes funções no jogo: o desarme e o rebote.

Como o pivô está posicionado próximo à cesta, ele deve ser um bom pontuador a curta distância, tendo enterradas e bandejas certeiras. Por esse motivo, a altura desses atletas é tão importante.

Características do pivô: altura, força e bom aproveitamento no lance livre.

Desenvolvendo as habilidades dos atletas

Depois de identificar e escolher os talentos no basquete para a sua equipe, chegou a hora de aprender a desenvolver as suas habilidades. Muitas vezes, principalmente na categoria infantil, o atleta pode ser bom em determinada função, mas precisa desenvolver ou aprimorar outras.

As principais habilidades a serem desenvolvidas no basquete são a velocidade, equilíbrio, força, agilidade, flexibilidade, coordenação e condicionamento físico.

Para desenvolver essas habilidades, existem diversas atividades e formas de treinamento entre as quais o técnico pode optar para que os atletas possam progredir e melhorar o desempenho. A seguir, separamos algumas para você adicionar à sua lista de ações.

Atividades em duplas de diferentes níveis

Uma boa maneira de desenvolver as habilidades dos atletas é dividir a equipe em duplas e selecionar jogadores que tenham níveis bastante distintos. Nessa tática, o jogador mais qualificado tem condições de ensinar e passar muitas informações ao atleta menos desenvolvido, contribuindo para o seu crescimento.

É importante cuidar para que o atleta mais habilidoso não se sinta entediado. Procure revezar as duplas com frequência e cuide para que os mais desenvolvidos também possam ser estimulados em algum momento.

Pequenas competições

Dividir a equipe em pequenos grupos e instigar a competição é uma maneira descontraída de trabalhar as habilidades dos jogadores. Procure sempre mesclar os atletas para que todos tenham contato entre si e sejam entrosados.

Atividades envolvendo arremessos, desarmes, dribles e condução de bola são excelentes opções para manter os atletas motivados e fazer com que desenvolvam os movimentos necessários para que se tornem talentos no basquete.

Integração das áreas

Um atleta deve ser desenvolvido em três diferentes áreas: aprendizagem tática, aprendizagem motora e treinamento técnico. Uma boa maneira de desenvolver a habilidade dos jogadores é realizar atividades de treinamento que integrem essas três áreas.

O treinamento de jogadas táticas que envolvam finalizações em cestas, por exemplo, é um bom exemplo de desenvolvimento técnico e tático. A aprendizagem motora, por sua vez, deve ser desenvolvida repetidas vezes e, nesse caso, cabe ao treinador observar quais são as deficiências de cada jogador, para aprimorá-las.

Utilizando o treino físico no desenvolvimento

O treinamento físico é um dos fatores de sucesso de uma equipe. Não adianta ter atletas habilidosos, mas que não tenham porte físico e força o suficiente para vencerem os adversários. Sendo assim, o treinador deve reservar um bom tempo do treino para desenvolver a parte física.

Tendo em vista que, muitas vezes, os jogadores não gostam de trabalhar o físico, procure alternar essa parte do treino com atividades táticas e técnicas. Essa ação funciona principalmente com as categorias de menor idade como a infantil e a juvenil, em que os atletas ainda não entendem a importância do treinamento físico para o jogo de basquete.

Para ajudar nessa parte do desenvolvimento dos talentos no basquete, separamos algumas dicas que você pode aplicar no seu treino físico. Veja a seguir:

Treinamento funcional

O treinamento funcional voltado para o esporte está em alta. Essa é uma excelente maneira de desenvolver a força física nos atletas, principalmente quando se trata dos menores de 14 anos, em que a musculação não é muito indicada. Nesse tipo de treino, a força é estimulada sem a ajuda de aparelhos. Todos os exercícios são realizados com a força do corpo, ou com a ajuda de acessórios, como fita elástica, bola ou faixas.

O treinamento funcional divide o corpo por articulações e padrões de movimento, como empurrar e puxar. A divisão do corpo em movimentos torna o funcional mais completo que a musculação, já que, nela, a musculatura é trabalhada de maneira isolada, enquanto o funcional fortalece diversos grupos musculares e diferentes partes do corpo ao mesmo tempo.

Apesar de ser um tipo de treino muito dinâmico, é possível torná-lo ainda mais atrativo, acrescentando jogadas de basquete em cada exercício. Para ajudar você a aumentar a sua planilha de exercícios, sugerimos alguns ótimos para atletas de basquete. Confira!

Salto com arremesso

O salto na caixa executado rapidamente é um exercício de pliometria, que estimula vários grupos musculares em conjunto. Um bom exercício para jogadores de basquete é saltar seguidamente em três caixas de tamanhos progressivos, e arremessar a bola ao final do último salto.

Wall Ball

O agachamento com uma bola pesada também é uma ótima forma de treinar atletas de basquete. Esse grupo de esportistas precisa ter a parte inferior do corpo fortalecida, já que realiza saltos com frequência. O exercício em que o atleta arremessa uma bola grande e com peso na parede e agacha ao recebê-la é completo para fortalecer os membros inferiores e treinar a musculatura utilizada nos arremessos.

Escada de agilidade

Como o nome já diz, a escada de agilidade é utilizada para desenvolver a agilidade, coordenação e concentração dos atletas. O treinador pode criar muitas combinações de movimentos e deslocamento na escada. Além disso, é possível marcar o tempo de cada jogador, fazendo com que melhorem as suas metas constantemente.

Condicionamento físico

Apesar de habilidosos, muitos atletas jovens podem estar com sobrepeso ou com um condicionamento ruim. Os grandes times contam com profissionais exclusivos para melhorar o condicionamento dos jogadores e dar a eles o ritmo de jogo esperado.

Apesar disso, esse não é o cenário para muitos treinadores de jovens atletas, que precisam fazer todo o trabalho sozinhos. Se esse é o seu caso, não se preocupe! Ajudaremos você. O primeiro passo para dar ritmo a um time é começar com o condicionamento básico. Nessa fase, você deve passar corridas rápidas e exercícios de deslocamento aos atletas, simulando as distâncias que o jogador percorre durante a partida.

Em um segundo momento, é a hora de mesclar o condicionamento ao jogo. Nessa fase do treinamento, devem ser realizados exercícios que permitam melhorar o condicionamento do corpo, para que o atleta consiga repetir inúmeras vezes os movimentos que realiza durante a partida.

Descanso

A última fase do treino físico que pode contribuir para o desenvolvimento é o descanso. Em qualquer idade, todos os atletas precisam mesclar treinamento e repouso e os jovens devem ter um cuidado redobrado, já que o corpo está em desenvolvimento nessa fase da vida.

Intercale jogos e treinamentos pesados com treinos recreativos e regenerativos. Não se esqueça de também adicionar dias de folga em meio à rotina de exercícios e nunca deixe de ouvir os seus jogadores.

O basquete é um esporte coletivo excelente, que desperta novos apaixonados, desperta o interesse de crianças no esporte e ajuda na inclusão social. Identificar talentos no basquete não é simples e exige do treinador muito conhecimento sobre o esporte.

Por isso, procure manter-se atualizado e faça um curso de iniciação no basquete, assista a palestras, acompanhe notícias online, esteja por dentro das novas tecnologias e fique sempre atento às novidades disponíveis para ajudar os treinadores.

Por fim, observe os atletas com cuidado e, depois de escolher os talentos no basquete que farão parte da sua equipe, treine eles com cuidado e perseverança e lembre-se: o aprimoramento e o desenvolvimento das habilidades vêm com muita persistência e treino.

E então, está preparado para encontrar talentos no basquete? Se você curtiu o post e gostaria de ler muito mais sobre esportes, assine a nossa newsletter e fique sempre por dentro do assunto!

Quer se tornar um especialista da área esportiva?

Assine e receba informações gratuitas sobre treinamentos e as melhores práticas esportivas!

Sobre o autor

Unisport Brasil

Deixar comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Share This